Notícia

Março/2012
Oficina sobre inclusão para professores do Concórdia

Inclusão foi tema da oficina que o Colégio Luterano Concórdia promoveu para os professores da instituição e equipe pedagógica, na manhã de sábado, 31 de março. Com mediação da psicóloga Gilnéia Cavalheiro, do Espaço Terapêutico, a atividade incluiu uma dinâmica em que os profissionais, divididos por grupos, encenaram características de alguns transtornos, como autismo, dislexia, hiperatividade, depressão, bipolaridade, toc (transtorno obsessivo compulsivo), ansiedade.

O diretor Celso Jancke destacou o trabalho que escola desenvolve no sentido de acolher alunos com necessidades diferenciadas e elogiou o interesse com que os professores atendem esses estudantes no Concórdia. Ele também falou da busca da escola em proporcionar capacitação. “Essa oficina objetiva melhorar a prática em sala de aula”, salientou.
Entre as várias considerações, a psicóloga frisou que o diagnóstico é o primeiro passo da inclusão e que o professor, muitas vezes, é o primeiro a perceber e tem a tarefa de driblar os transtornos com criatividade. A aceitação da família e o envolvimento, não só do professor, mas de todos na escola é fundamental para que a criança se sinta realmente incluída, de acordo com a profissional. “Resgatar a autoestima desses alunos é um desafio para o professor”, afirma Gilnéia, que também falou de avaliação, reforçou que inclusão sem apoio da família não existe e mencionou que o conceito de inteligências múltiplas (de Howard Gardner), que coloca o professor como detetive de potencialidades, é uma aliada da inclusão.