Wynni Maria da Silva, 12 anos, escreveu sobre como uma educação fraca compromete a entrada no mercado de trabalho.

"Não é o nosso mais conhecido real que anda vitaminado, mas é o esquecido dólar que anda fraco, anêmico. (...) Todas as moedas vinham mostrando que estavam fortes. Mas pelas costas disso tudo estava escondida a desvalorização do real em 2002."
Angel Quintana Rosa, 11 anos, comentou o nervosismo no mercado financeiro, tema de reportagens nas últimas semanas.

O Colégio Luterano Concórdia parabeniza o educador e as alunas pela maravilhosa iniciativa!

Clique aqui para acessar a reportagem na integra." /> Faça como a Winny e a Angel
Notícia

Junho/2006
Faça como a Winny e a Angel

Os temas tratados em reportagens de economia de Zero Hora têm colaborado com as aulas do professor de matemática Gerson dos Santos, do Colégio Luterano Concórdia, de Canoas. E o EconomiZHa é a chance de os estudantes mostrarem como.

Pelo projeto, no segundo ano consecutivo, leitores com até 16 anos estão convidados a comentar temas e reportagens publicadas nas páginas de Economia de Zero Hora. Ao tomar conhecimento da iniciativa, Santos desafiou seus alunos a produzirem textos.

- O material didático que usamos nas aulas de matemática da escola aborda muitos temas de atualidade. A leitura dessa parte do jornal (economia) pode ajudar os alunos a compreenderem os problemas - explica o professor.

Angel Quintana Rosa, 11 anos, e Wynni Maria da Silva, 12 anos, colegas em turma de 7ª série, foram as primeiras a mandar textos para a Redação (veja trechos abaixo).

- Resolvi escrever sobre algo que aconteceu comigo: a dificuldade de me adaptar ao ensino privado vindo de uma escola pública - explica Wynni.

Elas garantem que não foi uma tarefa difícil, e Angel avalia:

- A parte de economia do jornal é bem diferente das outras. Mas eu entendi os textos, não fiquei com dúvida no que li.

Opinião:

"Fica difícil para quem sai da escola pública arrumar um bom emprego, pois sempre falta alguma coisa na sua educação. Digo isso por que hoje estou numa escola particular e sinto a falta que faz não ter aprendido mais cedo inglês e informática."
Wynni Maria da Silva, 12 anos, escreveu sobre como uma educação fraca compromete a entrada no mercado de trabalho.

"Não é o nosso mais conhecido real que anda vitaminado, mas é o esquecido dólar que anda fraco, anêmico. (...) Todas as moedas vinham mostrando que estavam fortes. Mas pelas costas disso tudo estava escondida a desvalorização do real em 2002."
Angel Quintana Rosa, 11 anos, comentou o nervosismo no mercado financeiro, tema de reportagens nas últimas semanas.

O Colégio Luterano Concórdia parabeniza o educador e as alunas pela maravilhosa iniciativa!

Clique aqui para acessar a reportagem na integra.